AGENDA APP em foco Clipping Notícias GEO OPINIÃO Cruzeiros Desporto LAZER Ambiente
Fotos Pescas Blogs Facebook Twitter Slideshare YouTube ARTE Áudio DOSSIERS
  • PORTAL APP | 26 Dossiers disponíveis | COM MAIS DE 1000 NOTÍCIAS
  • PORTAL APP - 5.216 notícias publicadas até 24.10.2012 e integralmente disponíveis
  • APP no TWITTER: http://twitter.com/portosportugal
  • APP no FACEBOOK: http://www.facebook.com/portosdeportugal
  • APP no YOUTUBE: http://www.youtube.com/portosdeportugal
Utilidades APLOP Newsletters MediaMar EDUCARE Biblos Museus História Prémios Associativismo
CONTACTOS SOBRE A APP CIÊNCIA FUTURO Energia Remoção Lista POL. PRIVACIDADE VÍDEOSREGISTAR-SELOGIN

A Praia de Pedrouços era uma Secretaria de Estado ao ar livre

Era a Pedrouços que a burguesia ia para mergulhar no mar e apanhar sol. Uma praia que já não existe mas que, no século passado, foi visitada e admirada por boa parte da população lisboeta.
“É a mansão oficial da vilegiatura burocrática de Lisboa. Chefes de secretaria, oficiais, amanuenses, tabeliães, guarda-livros, caixeiros de escritório, escrivães, retemperam anualmente em Pedrouços a sua pálida e sedentária fibra plumitiva. Por isso, Pedrouços, a uma légua de Lisboa, tem um pouco o aspecto de uma secretaria do Estado – ao ar livre”.
 

Quando Albufeira queria ser a «Saint-Tropez portuguesa»

Nas ruas da praia dos pescadores, Manuel da Fonseca, na década de 60, encontra gente a expressar-se nas “mais desvairadas línguas”, em ambiente multicultural, “prestes a partirem alegremente para uma bela aventura”.

Granja, a praia chique onde Ramalho Ortigão não conseguiu descansar

A Granja ainda conserva muitos sinais da praia aristocrata que era, quando Ramalho Ortigão a visitou há quase século e meio. E ao contrário do que transparece na crónica que sobre ela escreveu, é uma praia a merecer visita.

De quando quatro cirurgiões mandaram um monge de Tibães a banhos à Póvoa de Varzim

No século XVIII, a fama dos efeitos terapêuticos das águas poveiras já chegava longe. O uso da praia mudou, mas a sua atractividade nunca mais parou.

Corria o ano de 1778. Sem barraquinhas de pano listado e pregões a vender guloseimas, os areais portugueses eram pouco mais que lugares inóspitos, frequentados essencialmente por pescadores de “barba rija”, a que se acrescentavam alguns terrenhos em busca de cura para variadas maleitas. Era o caso do padre pregador frei Luís de Santa Teresa, do Mosteiro de Tibães, em Braga, cujo diagnóstico desconhecemos, mas cujo tratamento esse, chegou, detalhadamente descrito até nós: uma temporada de banhos na Póvoa de Varzim.

Nobreza, povo e turismo: as muitas marés das praias de Setúbal

Desde que no século XVI, o terceiro Duque de Aveiro se sentava num penedo na Arrábida a pescar à cana nas águas do Atlântico, até hoje, as praias de Setúbal passaram por muitas marés.

D. Álvaro de Lencastre (1540-1626) gozava do privilégio de uso exclusivo do penedo, que ganhou, por isso, o nome de Penedo do Duque, frente à entrada da gruta da Lapa de Santa Margarida, no sopé da serra, junto ao mar, uma das maravilhas locais da natureza, com uma capela no interior da terra num antigo local de culto (século XVII) onde cabem 500 pessoas.

A lancha poveira do alto «Fé Em Deus»

«A lancha poveira do alto é um barco de boca aberta, de quilha, roda de proa e cadaste. Arma uma grande vela de pendão de amurar à proa. Como não dispõe de patilhão, um leme alteado assegura essa função.

A “Fé em Deus” foi reconstruída segundo normas e modelos tradicionais locais e representa uma das últimas lanchas poveiras a ir ao mar na década de cinquenta do século XX.

ÍLHAVOS, MURTOSEIROS E VARINOS

Movimentos migratórios de populações marítimas portuguesas

É hoje ponto assente que ílhavos, murtoseiros e varinos se deslocavam pela costa em busca de locais piscosos, estabelecendo-se, num primeiro tempo, apenas na época da safra, construindo para isso habitações precárias com materiais locais (palheiros), que eram abandonados após o período de pesca, para num segundo tempo se sedentarizarem, dando assim nascimento a praticamente todas as praias de palheiros entre a laguna de Aveiro e a Praia da Vieira. Em alguns locais constituíram importantes comunidades, como na Nazaré,
onde os ílhavos foram um dos grupos mais importantes, senão o mais importante.

VIAJANDO PELA HISTÓRIA

Rei D. Carlos - Os quatro iates e as campanhas no mar

O principal passatempo do Rei em Cascais era explorar o mar no seu iate. A partir de 1896 desenvolveu 12 expedições para inventariar a fauna subaquática na costa portuguesa. As campanhas oceanográficas, pelo espaço que exigiam em alto mar para ter, por exemplo, um laboratório a bordo, levaram o Rei a adquirir sucessivamente quatro iates, todos baptizados com o nome da mulher.

Turistas vão poder visitar as ruínas do Titanic (no fundo do mar)

Para os fãs do Titanic dispostos a gastar, a companhia de exploração privada Ocean Gate oferecerá passeios até os destroços do navio Titanic, que afundou em 1912 no Atlântico Norte.

Por 125 mil dólares, será possível submergir os 4 quilómetros até ao famoso navio, num clima agradável e acolhedor ao lado de especialistas na história do Titanic. “Isso amortecerá o congelamento e as duas horas de descompressão nas águas profundas”, afirma o ex-banqueiro de investimentos Stockton Rush, fundador da Ocean Gate.

VIAJANDO PELA HISTÓRIA

Algarve nos inícios do século XX

De entre os portos, destacava-se o de Vila Real, nunca assoreado devido às contínuas dragagens realizadas pela Companhia das Minas de São Domingos, para garantir o escoamento de minério, bem como pela exportação de conservas e outros produtos regionais.
Os de Vila Nova de Portimão (só seria cidade em 1924), Faro e Tavira estavam muito assoreados, pelo “abandono a que têm sido votados e em que provavelmente continuarão”.

As gentes do mar tinham uma vida monótona, “o tempo não lhe sobeja para divertimentos, só o mau tempo lhes dá folga participando então em feiras e romarias, tal como as gentes do campo”. Viviam a maior parte do tempo afastados dos povoados, estabelecidos em cabanas de colmo “que se vêem ao longo da costa, em frente das suas armações”. Os pescadores são arrojados e os de Olhão têm justificada celebridade.
 

 vídeo

APP lança vídeo “Journey to the center of the world”

 Poesia pelo Porto de Leixões

 

 APP pelo Facebook

 Consulte os dossiers do Portal APP

 NRP Sagres Volta ao Mundo 2010

 Se calha a sorte para a Armada…

 A Ver Navios

 Inauguração do novo Cais de Cruzeiros do Porto de Leixões

 Paquete Infante D. Henrique

 Arte xávega ou companhas das artes – Praia de Mira

 Nautilus Minerals - ROV Drill MINING

 Pesca artesanal valorizada em Sesimbra (1)

 Nova marina no Porto de Lisboa

 Funchal 500 Tall Ships Regatta – La Bamba

 Filatelia - Farol do Cabo Espichel

 Porto de Aveiro visto do céu

 APP no slide.com

 APP no SLIDESHARE

 APP no FACEBOOK

 Portos da CPLP reunidos em Cabo Verde

Portos da CPLP reunidos em Cabo Verde

Cidade de S. Vicente, Cabo Verde, 30 de Setembro/1 de Outubro de 2010

Associação dos Portos de Portugal © 2010 - Design & Programação by Idea Factory