AGENDA APP em foco Clipping Notícias GEO OPINIÃO Cruzeiros Desporto LAZER Ambiente
Fotos Pescas Blogs Facebook Twitter Slideshare YouTube ARTE Áudio DOSSIERS
  • PORTAL APP | 26 Dossiers disponíveis | COM MAIS DE 1000 NOTÍCIAS
  • PORTAL APP - 5.216 notícias publicadas até 24.10.2012 e integralmente disponíveis
  • APP no TWITTER: http://twitter.com/portosportugal
  • APP no FACEBOOK: http://www.facebook.com/portosdeportugal
  • APP no YOUTUBE: http://www.youtube.com/portosdeportugal
Utilidades APLOP Newsletters MediaMar EDUCARE Biblos Museus História Prémios Associativismo
CONTACTOS SOBRE A APP CIÊNCIA Energia VÍDEOSREGISTAR-SELOGIN

POR LUÍS SOUSA

Economia Marítima – Mito ou realidade?

No caso do sistema portuário nacional verifica-se que é produzido um Valor Acrescentado Bruto (VAB) de cerca de 20€ por tonelada de mercadoria movimentada. Este indicador pode apontar para a existência de uma garantida vida própria para a “Economia Portuária” ou ajudar demonstrar que esta só faz sentido enquanto parte do sistema económico alargado ao domínio nacional, europeu ou global.

O transporte marítimo internacional e muitas das outras atuais atividades baseadas nos oceanos, com toda a sua escala verdadeiramente inumana, manifestam-se difíceis de intuir numa visão holística de uma economia global, regional ou até mesmo de um país que possua um grande capital marítimo, como é o caso de Portugal.

Talvez por isso nos últimos anos se tenha verificado uma recorrente utilização da expressão “Economia Marítima” na dialética do sector e até no discurso político de carater mais ou menos oficial.

Esta compartimentação de setores económicos é claramente questionável mas compreensível dada a complexidade das relações entre estes, a qual implica consequências de monta face à tomada de medidas mesmo que tidas a priori, como de impacto restrito.

Logo, o conceito de “Economia Marítima” deriva do tal dimensionamento e escala difíceis de objetivar se o setor for tido unicamente como peça indissociável da restante economia, mas também da necessidade da presença de uma forte especialização nas esferas de topo das decisões estratégicas para o setor.

Aponta portanto para o enquadramento teórico da gestão de curto prazo, numa relação de proximidade e de resultados diretos, que se torna menos adequado caso a esfera de influência das decisões seja mais alargada. Nesse caso é necessário uma visão da Economia como um “todo”, na qual é óbvio que o setor das Atividade Marítimas desempenha um papel de altíssima importância.

Será então nessa capacidade de perceber a Economia do Mar no conjunto de todo o edifício económico global que se encontra o segredo para que o “Mar” constitua um capital realizável e realizado.

Um primeiro exemplo desta abordagem foi dado por Adam Smith nos seus livros “A riqueza das Nações”, cujas primeiras edições aconteceram em 1759. Tido frequentemente como o pai da economia moderna, o autor produziu uma nova teoria económica evocando a globalização como fator de crescimento económico.

Sem que lhe seja conhecida alguma ligação ao Mar e sem utilizar a expressão “Economia do Mar”, aponta o transporte marítimo e fluvial como decisivo para o alargamento dos mercados, única forma de atingir um elevado grau de eficiência através da especialização que cada área geográfica pode proporcionar.

Significa portanto que no caso da atividade portuária o contributo para a economia é mais indireto, ao permitir um desenvolvimento mais eficiente de outras atividades, o que é perfeitamente constatável nos números relativos a 2010 divulgados pelo Governo no Anexo A da “Estratégia Nacional para o Mar 2013 – 2020”.

Sendo o Produto Interno Bruto per capita (PIBpc) português de 2010 cerca de 16.840,00€ e o VAB da atividade portuária situado nos 1.230,40 milhões de euros, temos uma contribuição e 115,00€ para o PICpc nacional o que corresponde a 0,68% deste indicador.

Se tivermos em conta que no mesmo período a Industria e a Manufatura contribuíram em 30% para o mesmo PIBpc, parece ser legítimo concluir que a atividade portuária no que diz respeito à movimentação de mercadorias, tem um papel pouco importante para a economia.
O que a torna estratégica é a sua capacidade para alavancar os outros setores da economia, permitindo que no já citado exemplo da Indústria e Manufatura, estes se tornem contribuintes cada vez mais fortes para o rendimento disponível.

Acresce ainda que numa visão integrada da atividade portuária em relação aos outros setores, já se concluiu que as áreas portuárias possuem grande capacidade para potenciar o desenvolvimento de atividades de baixa intensidade industrial e manufatura.

Constituindo estas, serviços de valor acrescentado às cargas, contribuem decisivamente para a redução do custo do transporte, o que obrigatoriamente se traduz num aumento da competitividade do setor e da economia portuguesa, garantindo ainda uma melhor integração dos Portos nacionais no atual modelo da Economia Global.
 

POR LUÍS SOUSA
 




Data: 2013-09-02
Autor:

Artigos relacionados:

  • Selvagens, ma non troppo
  • A Internet | Criámos «O Monstro»
  • Sistemas de Informação… Sim, mas são as pessoas que fazem a diferença
  • Um «oceano» de preocupações ou as óbvias preocupações com o Oceano?
  • Janela Única Portuária
  • Os Sistemas de Informação – O contra-ataque à soberania
  • Que há em comum entre a nau e a troika?
  • O Tribunal Internacional do Direito do Mar (Parte 2)
  • 17 deixas a Luís Sousa
  • O Tribunal Internacional do Direito do Mar (Parte 1)
  • Serviços de Valor Acrescentado nos Portos
  • JUP – Uma janela de oportunidade
  • O Papel Principal numa Zona Portuária
  • Concorrência e Regulação no Sector Portuário
  • Os anabolizantes portuários
  • EMISSÕES DE CO2 | O perigo eminente de acontecer um enorme «absolutamente nada»
  • Conflitos do Mar
  • A «Área» – O País da Humanidade
  • O Alto-Mar – Onde a Economia Mundial Viaja
  • A Zona Económica Exclusiva – 200 milhas náuticas de recursos
  • O Colapso dos Recursos Pesqueiros
  • Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar
  • A Zona Contígua – A importância do exercício dos direitos FISA
  • O MAR TERRITORIAL – Da «Lei Tiro de Canhão» ao alcance do míssil Harpoon?
  • O que é a Carta dos Sedimentos Superficiais da Plataforma Continental Portuguesa?
  • Uma porta para o conhecimento do nosso território
  • Como se dividiu o mar
  • A Plataforma Continental
  • A delimitação territorial, uso e a apropriação dos seus recursos.
  • A propósito do «mar patrimonial» brasileiro
  • Governo brasileiro quer construir navios de pesquisa para explorar e mapear o mar territorial
  • «Reforço da prospecção do mar custará até 15 milhões por ano»
  • Projecto de Extensão da Plataforma Continental portuguesa
  • Vales e canhões submarinos
  • Cabo Verde pretende alargar área de jurisdição marítima
  • «A nossa nova fronteira é o mar profundo»
  • «A plataforma continental de Portugal transforma um país pequeno num país médio»
  • Dinamarca vai reivindicar o Pólo Norte
  • Portugal vai apoiar Angola no processo de delimitação das fronteiras marítimas

  •  vídeo

    APP lança vídeo “Journey to the center of the world”

     Poesia pelo Porto de Leixões

     

     APP pelo Facebook

     Consulte os dossiers do Portal APP

     NRP Sagres Volta ao Mundo 2010

     Se calha a sorte para a Armada…

     A Ver Navios

     Inauguração do novo Cais de Cruzeiros do Porto de Leixões

     Paquete Infante D. Henrique

     Arte xávega ou companhas das artes – Praia de Mira

     Nautilus Minerals - ROV Drill MINING

     Pesca artesanal valorizada em Sesimbra (1)

     Nova marina no Porto de Lisboa

     Funchal 500 Tall Ships Regatta – La Bamba

     Filatelia - Farol do Cabo Espichel

     Porto de Aveiro visto do céu

     APP no slide.com

     APP no SLIDESHARE

     APP no FACEBOOK

     Porto de Ponta Delgada

    Porto de Ponta Delgada
    Associação dos Portos de Portugal © 2010 - Design & Programação by Idea Factory