AGENDA APP em foco Clipping Notícias GEO OPINIÃO Cruzeiros Desporto LAZER Ambiente
Fotos Pescas Blogs Facebook Twitter Slideshare YouTube ARTE Áudio DOSSIERS
  • PORTAL APP | 26 Dossiers disponíveis | COM MAIS DE 1000 NOTÍCIAS
  • PORTAL APP - 5.216 notícias publicadas até 24.10.2012 e integralmente disponíveis
  • APP no TWITTER: http://twitter.com/portosportugal
  • APP no FACEBOOK: http://www.facebook.com/portosdeportugal
  • APP no YOUTUBE: http://www.youtube.com/portosdeportugal
Utilidades APLOP Newsletters MediaMar EDUCARE Biblos Museus História Prémios Associativismo
CONTACTOS SOBRE A APP CIÊNCIA FUTURO Energia Remoção Lista POL. PRIVACIDADE VÍDEOSREGISTAR-SELOGIN

VIAJANDO PELA HISTÓRIA | 1941

A indústria conserveira em Portimão

Quanto às condições laborais na indústria conserveira, existia “um contrato colectivo de trabalho que garante aos operários um mínimo de três dias de trabalho em cada semana e durante todo o ano; uma semana de férias pagas e um pequeno subsídio de invalidez. Os doentes têm assistência médica paga pelo Grémio ou pelo Sindicato e os mais necessitados recebem também um auxílio pecuniário”.

Na época de laboração, esta Indústria pagava mensalmente a “média de 902 274$38 de salários” e despendia “com assistência pelo Grémio do Barlavento 252 968$61”.

O referido Grémio dos Industriais do Barlavento era dirigido pelo conserveiro João Francisco Leote, “considerado gerente da importante firma Bívar & C.a Ld.a”. Em Portimão e Lagos, este organismo corporativo havia criado duas cantinas operárias, as quais forneciam “comida barata; e ainda este ano [1941], e a exemplo do anterior, na época do defeso, em ambas se deram refeições gratuitas às crianças órfãs e aos filhos de pais muito pobres”.

A esta entidade estava ainda associado o “Centro Industrial” de Lagos, que servia naquela cidade uma população operária de 944 indivíduos.

Frequentes em Portimão eram os bairros destinados aos trabalhadores conserveiros: “Portimão tem ainda digno de menção um lindo Bairro Operário para os trabalhadores das suas Fábricas com 100 moradias de 3 tipos, cujas rendas são de 45$00, 55$00 e 65$00”. Apesar de concluído com o apoio do Estado, obairro fora da iniciativa de Caetano Feu. Outros bairros privativos existiam, como o das firmas Fialho, Feu, Facho e Sociedade Peninsular.

Artigo de Aurélio Nuno Cabrita para ler na íntegra aqui









Data: 2019-06-25
Autor:

 vídeo

APP lança vídeo “Journey to the center of the world”

 Poesia pelo Porto de Leixões

 

 APP pelo Facebook

 Consulte os dossiers do Portal APP

 NRP Sagres Volta ao Mundo 2010

 Se calha a sorte para a Armada…

 A Ver Navios

 Inauguração do novo Cais de Cruzeiros do Porto de Leixões

 Paquete Infante D. Henrique

 Arte xávega ou companhas das artes – Praia de Mira

 Nautilus Minerals - ROV Drill MINING

 Pesca artesanal valorizada em Sesimbra (1)

 Nova marina no Porto de Lisboa

 Funchal 500 Tall Ships Regatta – La Bamba

 Filatelia - Farol do Cabo Espichel

 Porto de Aveiro visto do céu

 APP no slide.com

 APP no SLIDESHARE

 APP no FACEBOOK

 Porto de Sines - Terminal de Granéis Líquidos

Porto de Sines - Terminal de Granéis Líquidos
Associação dos Portos de Portugal © 2010 - Design & Programação by Idea Factory