AGENDA APP em foco Clipping Notícias GEO OPINIÃO Cruzeiros Desporto LAZER Ambiente
Fotos Pescas Blogs Facebook Twitter Slideshare YouTube ARTE Áudio DOSSIERS
  • PORTAL APP | 26 Dossiers disponíveis | COM MAIS DE 1000 NOTÍCIAS
  • PORTAL APP - 5.216 notícias publicadas até 24.10.2012 e integralmente disponíveis
  • APP no TWITTER: http://twitter.com/portosportugal
  • APP no FACEBOOK: http://www.facebook.com/portosdeportugal
  • APP no YOUTUBE: http://www.youtube.com/portosdeportugal
Utilidades APLOP Newsletters MediaMar EDUCARE Biblos Museus História Prémios Associativismo
CONTACTOS SOBRE A APP CIÊNCIA FUTURO Energia Remoção Lista POL. PRIVACIDADE VÍDEOSREGISTAR-SELOGIN

POR LUÍS SOUSA

Os Sistemas de Informação – O contra-ataque à soberania

Os sistemas de informação atuais, do mais simples portal institucional à mais complexa plataforma de comércio eletrónico, são objetivamente uma das forças de globalização que caracteriza o desenvolvimento económico e social das últimas décadas.

No topo dos mais interessantes desenvolvimentos tecnológicos da história humana, encontra-se seguramente a Internet, com os serviços que suporta, o seu potencial para desenvolver novas realidades sociais, criar e condicionar políticas e sustentar mercados.

Não menos intimidante é o fato de na “Rede” o “Mundo” circular a uma velocidade que permite atravessar em poucos segundos toda a implexa manta de diversidade humana, da Europa Central ao Extremo Oriente, do Mundo Islâmico à América do Norte, da África subsariana à Europa de Leste ou da Oceânia ao Próximo Oriente.

Por este motivo parecem legítimos e justificados os medos que persentem em perigo o conceito tradicional de “Soberania”, como o poder de uma nação de impedir outros de interferirem nos seus assuntos internos.

Na verdade os modernos sistemas de informação fazem parte de um conjunto de forças como o comércio global, os fluxos globais de capital ou a degradação ambiental, que têm potencial para desferir golpes profundos nos sistemas de soberania vigentes.

Mas esta insegurança não nasce com a internet, esta junta-se a uma linhagem de outras evoluções tecnológicas que produziram semelhantes preocupações. O evento da imprensa deixou Coroas e as Igrejas apreensivas com a maior facilidade de disseminação de novas e disruptivas ideias. Mais tarde o radio, o telégrafo, o telefone e a televisão produzirão idêntica sensação de insegurança nos titulares dos poderes soberanos.

Apesar disto o estado-nação sobreviveu a estes perigos, não através da recusa e blindagem a estas tecnologias, mas recorrendo mesmo à sua incorporação na esfera dos serviços de interesse público necessariamente providos por meios estatais ou em regimes ambígenos com interesses privados.

De um ponto de vista pragmático a Internet e tecnologias derivadas são uma ameaça a um certo tipo de soberanias, como prova o papel que desempenharam na “Primavera Árabe”. Apesar disso, enquanto força global virá a produzir um efeito completamente contrário, fortalecendo o relacionamento entre Estados, mas também vincando mais profundamente os traços identitários que justificam uma forte Soberania em cada Estado-Nação.

Os sistemas de informação permitem que os Estados controlem o seu território no âmbito da defesa, segurança e proteção ambiental, cooperando com os seus vizinhos geográficos ou outro tipo de aliados, no sentido da criação e manutenção de cada vez mais de eficientes mecanismos de segurança e defesa comuns.

Os Estados ganham capacidade de fazer prevalecer o seu edifício legislativo ao mesmo tempo que reforçam o papel fundamental do Direito Internacional pela maior facilidade em contribuir não só para a sua aplicação mas também para a evolução globalmente concertada do mesmo. Neste campo é também notável o alargado leque de oportunidades de simplificação administrativa, uma vez que a crescente complexidade do acesso do Estado aos cidadãos e dos cidadãos ao Estado constitui por si só um entrave a prossecução da desejável democracia de direito soberana.

As economias passam a dispor de importantes instrumentos a nível das atividades e das respetivas regulações, facilitando a oferta e a procura, tanto no domínio interno como na externalização dos negócios ou de atividades intermédias e acesso a um mercado alargado globalmente.

Os cidadãos e organizações não-governamentais passam a dispor de um meio fácil para exerceram o seu direito individual de expressão e de se integrarem de forma mais ativa e consequente, no governo e definição dos destinos da sua Nação. Por outro lado a troca de informação e formação entre pessoas geograficamente distanciadas passa a constituir uma rotina e um alto valor adquirido.
Em resumo: Os sistemas de informação contribuem de forma decisiva para a criação de um “Mundo” mais pequeno e mais cooperante mas ao mesmo tempo com mais espaço para a diversidade e individualidade.
 

Por Luís Sousa
 
LEIA OUTROS ARTIGOS DE OPINIÃO DE LUÍS SOUSA


VISITE OS RECURSOS DA APLOP (ASSOCIAÇÃO DOS PORTOS DE LÍNGUA PORTUGUESA), NA WEB
 

 



Data: 2012-10-08
Autor:

Artigos relacionados:

  • Janela Única Portuária
  • Que há em comum entre a nau e a troika?
  • O Tribunal Internacional do Direito do Mar (Parte 2)
  • 17 deixas a Luís Sousa
  • O Tribunal Internacional do Direito do Mar (Parte 1)
  • Serviços de Valor Acrescentado nos Portos
  • JUP – Uma janela de oportunidade
  • O Papel Principal numa Zona Portuária
  • Concorrência e Regulação no Sector Portuário
  • Os anabolizantes portuários
  • EMISSÕES DE CO2 | O perigo eminente de acontecer um enorme «absolutamente nada»
  • Conflitos do Mar
  • A «Área» – O País da Humanidade
  • O Alto-Mar - Onde a Economia Mundial Viaja
  • A Zona Económica Exclusiva - 200 milhas náuticas de recursos
  • O Colapso dos Recursos Pesqueiros
  • Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar
  • A Zona Contígua - A importância do exercício dos direitos FISA
  • O MAR TERRITORIAL - Da «Lei Tiro de Canhão» ao alcance do míssil Harpoon?
  • O que é a Carta dos Sedimentos Superficiais da Plataforma Continental Portuguesa?
  • Uma porta para o conhecimento do nosso território
  • Como se dividiu o mar
  • A Plataforma Continental
  • A delimitação territorial, uso e a apropriação dos seus recursos.
  • A propósito do «mar patrimonial» brasileiro
  • Governo brasileiro quer construir navios de pesquisa para explorar e mapear o mar territorial
  • «Reforço da prospecção do mar custará até 15 milhões por ano»
  • Projecto de Extensão da Plataforma Continental portuguesa
  • Vales e canhões submarinos
  • Cabo Verde pretende alargar área de jurisdição marítima
  • «A nossa nova fronteira é o mar profundo»
  • «A plataforma continental de Portugal transforma um país pequeno num país médio»
  • Dinamarca vai reivindicar o Pólo Norte
  • Portugal vai apoiar Angola no processo de delimitação das fronteiras marítimas

  •  vídeo

    APP lança vídeo “Journey to the center of the world”

     Poesia pelo Porto de Leixões

     

     APP pelo Facebook

     Consulte os dossiers do Portal APP

     NRP Sagres Volta ao Mundo 2010

     Se calha a sorte para a Armada…

     A Ver Navios

     Inauguração do novo Cais de Cruzeiros do Porto de Leixões

     Paquete Infante D. Henrique

     Arte xávega ou companhas das artes – Praia de Mira

     Nautilus Minerals - ROV Drill MINING

     Pesca artesanal valorizada em Sesimbra (1)

     Nova marina no Porto de Lisboa

     Funchal 500 Tall Ships Regatta – La Bamba

     Filatelia - Farol do Cabo Espichel

     Porto de Aveiro visto do céu

     APP no slide.com

     APP no SLIDESHARE

     APP no FACEBOOK

     Porto de Sines - Terminal de Granéis Líquidos

    Porto de Sines - Terminal de Granéis Líquidos
    Associação dos Portos de Portugal © 2010 - Design & Programação by Idea Factory