AGENDA APP em foco Clipping Notícias GEO OPINIÃO Cruzeiros Desporto LAZER Ambiente
Fotos Pescas Blogs Facebook Twitter Slideshare YouTube ARTE Áudio DOSSIERS
  • PORTAL APP | 26 Dossiers disponíveis | COM MAIS DE 1000 NOTÍCIAS
  • PORTAL APP - 5.216 notícias publicadas até 24.10.2012 e integralmente disponíveis
  • APP no TWITTER: http://twitter.com/portosportugal
  • APP no FACEBOOK: http://www.facebook.com/portosdeportugal
  • APP no YOUTUBE: http://www.youtube.com/portosdeportugal
Utilidades APLOP Newsletters MediaMar EDUCARE Biblos Museus História Prémios Associativismo
CONTACTOS SOBRE A APP CIÊNCIA FUTURO Energia Remoção Lista POL. PRIVACIDADE VÍDEOSREGISTAR-SELOGIN

POR VÍTOR CALDEIRINHA

Concessões de Terminais Portuários na Europa - Proposta para um Guia de Boas Práticas

No início de 2012 foi publicado pela revista científica internacional Maritime Policy & Management, um artigo de Notteboom, Verhoeven e Fontanet, do ITMMA, que analisa os resultados do inquérito realizado pela ESPO e ITMMA sobre as concessões de terminais de serviço ao público na Europa. Excluem-se os terminais e portos totalmente privativos.

A maioria das concessões dos terminais tem como duração entre 21 a 40 anos e, na maioria dos casos, existe uma limitação máxima de concessão de 30 a 35 anos, ou estão sujeitas a aprovação governamental acima desse prazo.

As cláusulas contratuais mais frequentes são sobre garantias de tráfego mínimo, com o pagamento de penalização em caso de incumprimento, de desempenho ambiental, relativas a fusões e aquisições, sobre a renovação do prazo da concessão e sobre a rescisão unilateral, embora também muitos contratos tenham cláusulas de investimento mínimo, sobre o final da concessão e de renegociação.

No que respeita à opinião das autoridades portuárias europeias, referem que 90% dos casos considera que cabe às autoridades portuárias a definição dos cadernos de encargos dos concursos de concessão dos terminais e a maioria concorda que as autoridades portuárias deveriam ter poderes para atribuir diretamente a concessão de um terminal sem concurso, em caso de existirem razões estratégicas. 65% refere que as autoridades portuárias deverão poder renovar os contratos para evitar menores investimentos e perdas de eficiência nos últimos anos do prazo de concessão.

O texto refere depois a Diretiva de serviços portuários da Comissão Europeia publicada em 2001, que pretendia evitar a discriminação nos processos de escolha das concessões, aumentar a transparência e limitar os prazos das concessões de serviço público, aumentando a concorrência “pelo mercado”, uma vez que a concessão limita a concorrência “no mercado”. Mas este pacote legislativo não teve o suporte político para passar no Parlamento Europeu.

Mais tarde em 2007, no âmbito da chamada “port soft law”, foi publicado um guia para os portos, referindo que as concessões de terminais atribuídas pelas autoridades portuárias devem considerar as leis europeias sobre concessões de serviços, aumentando a transparência nos processos de atribuição.

A legislação define então que a duração das concessões portuárias de serviço ao público não deve ultrapassar o tempo necessário para o retorno do investimento, salvaguardando o processo concursal periódico para potencial a entrada de novos operadores, sendo a renovação considerada igual à atribuição de uma nova concessão. No entanto, é permitida a introdução de cláusulas que salvaguardem os legítimos interesses dos portos e das comunidades locais, defendendo muito a opinião das autoridades portuárias manifestada nos inquéritos.

Os autores referem ainda um conjunto de boas práticas para a atribuição de concessões de terminais de serviço ao público em terrenos públicos, com vista à elaboração de um guia da ESPO:
a) Sugerem a partilha de lucros na concessão quando se exceda determinado valor da taxa interna de rentabilidade e a possibilidade de definir o prazo da concessão como variável, que termina ao ser atingida determinada taxa de retorno;
b) Os contratos devem ter cláusulas de limitação do uso da área do terminal, obrigações de investimento e manutenção, questões de financiamento, rescisão, termo e transferência dos bens do terminal;
c) Apesar das dificuldades em definir a duração máxima e a renovação, aconselham que a renovação seja feita apenas uma vez e num período máximo de 10 anos, para amortização dos grandes investimentos que tenham que ser realizados no final da concessão. Ou em alternativa, abrir concurso mais cedo, antes desses grandes investimentos.

Em conclusão, os autores constatam a diversidade de práticas na atribuição e redação dos contratos de concessão de terminais de serviço ao público na Europa, bem como a falta de regras comuns de transparência e liberdade de acesso de outras empresas ao mercado portuário, através da prática regular de concursos públicos, sugerindo à Associação Europeia de Portso (ESPO) a criação de um guia de boas práticas, face à falta de legislação Comunitária.


Por Vítor Caldeirinha
 




Data: 2012-11-13
Autor:

Artigos relacionados:

  • 17 deixas a Vítor Caldeirinha
  • «Devemos ser um hub intermédio entre o norte da Europa e os outros continentes»
  • Vítor Caldeirinha confirmado na presidência
  • Lista liderada por Vítor Caldeirinha junta mais de 60 especialistas do sector
  • Os portos face à tendência de concentração no shipping
  • Conferência «Porto de Setúbal: Realidades Marítimo-Portuárias»
  • Direcção da ADFERSIT conta com nomes fortes para o próximo mandato
  • Ideias sobre o Modelo Macro de Governação dos Portos
  • Governação dos Portos na Europa
  • O desempenho dos terminais de contentores
  • LINER SHIPPING CONNECTIVITY INDEX - Portugal na 56.ª posição
  • Radiografia das Administrações Portuárias 2010
  • «Investimento nos portos é fundamental para sairmos da crise»
  • Apostar nos Portos
  • «Portos não são fardo para a economia mas também não a estão a alavancar»
  • «Mercadorias e Logística» em debate
  • TERMINAIS PORTUÁRIOS DEDICADOS - Realidade Internacional
  • Marketing Portuário - Produto Portuário
  • Marketing de Terminais de Contentores
  • Experiência do género da do «Expreso de la Robla» pode chegar a Portugal
  • Vitor Caldeirinha ganha prémio BES
  • Canal do Panamá
  • PORTOS DA REGIÃO DE LISBOA - Melhorar a Articulação dos Investimentos
  • Regiões Logísticas Multi-portos
  • Lançamento do livro «Gestão Portuária II», de Vítor Caldeirinha
  • Lançamento do livro «Gestão Portuária II», de Vítor Caldeirinha
  • Vítor Caldeirinha lança livro «Gestão Portuária II»
  • Medir a eficiência dos portos
  • Livro Branco e novo Porto de Jade-Weser, na Alemanha
  • APSS apoia formação em Cabo Verde
  • Angola, Potência Logística Regional
  • Projecto Tanger Med
  • Os portos da CPLP

  •  vídeo

    APP lança vídeo “Journey to the center of the world”

     Poesia pelo Porto de Leixões

     

     APP pelo Facebook

     Consulte os dossiers do Portal APP

     NRP Sagres Volta ao Mundo 2010

     Se calha a sorte para a Armada…

     A Ver Navios

     Inauguração do novo Cais de Cruzeiros do Porto de Leixões

     Paquete Infante D. Henrique

     Arte xávega ou companhas das artes – Praia de Mira

     Nautilus Minerals - ROV Drill MINING

     Pesca artesanal valorizada em Sesimbra (1)

     Nova marina no Porto de Lisboa

     Funchal 500 Tall Ships Regatta – La Bamba

     Filatelia - Farol do Cabo Espichel

     Porto de Aveiro visto do céu

     APP no slide.com

     APP no SLIDESHARE

     APP no FACEBOOK

     Paquete largando do Funchal | João Gaspar de Jesus

    Paquete largando do Funchal | João Gaspar de Jesus

    Mais detalhes aqui

    Associação dos Portos de Portugal © 2010 - Design & Programação by Idea Factory